Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica alcança sucesso de público com rico conteúdo

Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica alcança sucesso de público com rico conteúdo

O Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica, promovido no dia 24 de agosto pela ABTG (Associação Brasileira de Tecnologia Gráfica) em parceria com a APS Feiras & Eventos, foi um grande sucesso. Mais de 200 profissionais do segmento de comunicação impressa lotaram o auditório do Espaço Milenium, em São Paulo, para entender a visão de especialistas e compartilhar conceitos de inovação com o mercado.

A abertura foi feita pelo presidente da ABTG, Francisco Veloso Filho, que destacou a realização do congresso como uma das primeiras ações práticas surgidas das reuniões dos grupos de trabalho internos da ABTG que tratam de conteúdo e estratégia e visam reposicionar a associação de forma mais abrangente e pró ativa às demandas da indústria da comunicação gráfica.

O primeiro palestrante a subir no palco foi o especialista alemão Andreas Weber. Em uma apresentação interativa, reforçou que o mercado precisa pensar além da tecnologia - equipamentos e suas velocidades; deve-se tratar também do valor imaterial da impressão.

Para Andreas, a inovação precisa estar no DNA de cada companhia, buscando a transformação como negócio, assim como fazem as grandes empresas globais. Ter um marketing eficiente e orientado à inovação, com entendimento da importância do relacionamento humano, foi um dos tópicos tratados por Andreas.

Em seguida, Emilio Corti, diretor mundial da unidade de negócios de equipamentos a folha da Bobst, compartilhou números de pesquisas recentes sobre o segmento de embalagens, mostrando onde estão os negócios crescentes, as oportunidades, como a criatividade impacta diretamente no crescimento, como ideias vêm sendo adotadas globalmente e, com base nestes pontos, quais os caminhos que o mercado está tomando para os próximos anos.

Fechando a manhã, Sandro Cardoch, diretor comercial para a América Latina da Smag Graphique, focou em tratar de acabamento em rótulos e embalagens e o quanto a aplicação de um acabamento diferenciado pode provocar uma enorme mudança no “shelf appeal” do produto. Sandro explicou que a impressão será sempre necessária, mas o objetivo é a criação de algo único, que se destaque perante a competição e seja difícil de imitar.

Sandro abordou que hoje é possível produzir a impressão e acabamento usando diferentes tecnologias de impressão, tirando assim o máximo das tecnologias disponíveis. O executivo trouxe um número mostrando que, dos produtos tirados da gôndola do supermercado, 60% é colocado no carrinho e 40% é devolvido. O trabalho, frisou, é para que estes 40% sejam reduzidos ao máximo e um acabamento de qualidade em um rótulo ou embalagem, usando por exemplo efeitos táteis, pode ser o fator de decisão de compra.

O período da tarde começou com a palestra do consultor Hamilton Costa, da ANconsulting, que tratou de como gerar maior valor para o cliente. O conceito principal passado por Hamilton é do entendimento de que o empresário de impressão não pode ser mais um mero reprodutor de impresso, sendo preciso buscar novas alternativas e tornar a impressão uma importante parte de todo um processo de serviço multimídia.

Para Hamilton, a companhia precisa entender quais problemas o cliente tem e quais soluções são possíveis de oferecer para atender a essas necessidades. Desta forma, tem-se com clareza quais serão os passos a serem tomados no momento dos investimentos em novas tecnologias, por exemplo. O grande ponto é o modelo de negócio a ser oferecido, com definições de onde a empresa quer chegar e como quer chegar lá.

O diretor da APS Feiras & Eventos, Alexandre Keese, apresentou uma série de tendências relevantes no mercado de impressão tendo como base pesquisas de grandes entidades do mercado, como drupa e FESPA. Keese explicou as transformações das artes gráficas para indústria gráfica, a chegada da impressão digital em grande escala e o impacto nos trabalhos.

Alexandre explicou que o mercado atual demanda por mais trabalhos, porém com tiragens menores e mais personalizadas, com a indústria passando da produção em massa para a personalização em massa. Keese passou ainda pelos mais diversos conceitos de impressão industrial, impressão funcional e impressão de eletrônicos, ressaltando suas características, diferenças e oportunidades.

Clóvis Pires Castanho palestrou no Congresso da ABTG tratando da evolução dos processos cross-mídia. De acordo com Clóvis, o pensamento estratégico é fundamental para ajudar o cliente a vender. Dentro desta visão, o conhecimento e uso de softwares têm grande importância para agilizar o fluxo de trabalho e oferecer novas possibilidades e o desenvolvimento de campanhas mais diferenciadas.

O especialista trouxe uma série de informações e dados sobre a evolução do mundo digital, mostrando que o empresário que não entender a mudança vai ficar para trás. São tecnologias existentes que vêm avançado, tornando-se menores em tamanho, mais rápidas e mais baratas, ampliando o acesso à tecnologia no geral. Isto não será diferente com a impressão, que deve estar sempre integrada às revoluções tecnológicas.

Para encerrar o ciclo de palestras, o alemão Rainer Wagner mostrou quais são as tendências tecnológicas até o ano de 2020. Ele ressaltou que a América Latina vem fazendo muitos investimentos no segmento em equipamentos novos de impressão e acabamento.

Rainer fez uma passagem sobre as novidades em impressão digital, flexografia banda estreita, offset, acabamento e enobrecimento digital, 3D e outros desenvolvimentos das grandes companhias, como nanografia e softwares de web-to-print. Mesmo apresentando uma série de desenvolvimentos em equipamentos, Rainer deixa claro: o futuro será feito por pessoas.

O Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica foi finalizado com uma mesa redonda. O mediador foi o diretor técnico da ABTG Manoel Manteigas de Oliveira. Participaram da mesa Kleber Rodrigues, gerente de vendas da Kodak; Fabiano Peres, supervisor de revendas da Canon; Rogério Gomes, gerente de serviços técnicos da Hubergroup; Alexandre Dalama, diretor da Rotatek; Paulo Faria, diretor geral da KBA e Melchior Trueeb, gerente de vendas da Müller Martini.

Dentre os vários temas tratados na mesa redonda, estiveram: sustentabilidade, a importância de diversificar o leque de produção, a dificuldade de atrair jovens talentos para o mercado gráfico, questões de sucessão nas empresas, importância da tecnologia na produção de valor, as tendências one-to-one com a impressão digital, a integração de sistemas inkjet, o cuidado com perdas de insumos, a importância da capacitação e pensamento estratégico.

Aprovação do público

O público de todo o Brasil presente no Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica aprovou a iniciativa e o formato proposto. Para a professora universitária Ligia Coeli Silva Rodrigues, de Campina Grande (PB), o desafio é levar a importância do processo aos jovens: “Ministro aulas no curso de Publicidade da Universidade Federal de Campina Grande e na Cesrei. Estou no Congresso para aprender conceitos e reunir números para reforçar com os alunos o entendimento da mídia impressa, estimulando a produção do impresso desde a faculdade, colaborando para a sua formação. Gostei muito do projeto do evento”.

Para o Engenheiro de Produção da Gráfica Plural, Everton Rodrigo Bispo de Oliveira, de São Paulo (SP), “o Congresso foi muito bem desenvolvido. Gostei dos palestrantes e considero que este é um primeiro passo de um longo caminho a ser trilhado para se conversar mais sobre a indústria de impressão”.

Mário Ribeiro, diretor da Gráfica Flamar, de Recife (PE), voltada para o segmento de embalagens, esteve no evento e destacou que um Congresso como este é de grande ajuda. “É muito bom para manter o relacionamento com os profissionais do mercado e se atualizar com conceitos internacionais. O evento teve a capacidade de transmitir informações de forma global, confirmando as tendências de crescimento que foram expostas com a apresentação de números de mercado”.

Richard Streck Neto, CEO da Print Indústria de Artes Gráficas, de São Paulo (SP), considerou importante participar do Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica. “O mercado gráfico vive um momento de profundas transformações e com isto é fundamental a participação em eventos como este promovido pela ABTG, para trazer depoimentos nacionais e internacionais sobre tendências de mercado, novos modelos de negócios e novas tecnologias. Como a participação do público foi bem grande, espero que a ABTG possa continuar promovendo este evento nos próximos anos”.

Para Alex Cristiani Oliveira Xavier, da Gráfica JB, de João Pessoa (PB), que atua no segmento promocional, “É bom estar sempre conectado com as tecnologias e novos processos e atualizar-se dentro do segmento gráfico. O evento foi excepcional, o lugar organizado, palestrantes trazendo informações para que a gente possa colocar em prática como vamos pensar no futuro”.

A ProText, de Nova Odessa (SP), atua nos setores de offset, digital e flexografia, e foi representada no Congresso pelo seu diretor executivo Edson Cesar dos Santos, que considerou como destaque do evento a apresentação de novas ideias: “Foi uma experiência enriquecedora e realmente apresentou inovações com criação de valor, no sentido mais puro da palavra inovação”.

A resposta positiva do público foi sentida pelo presidente da ABTG, Francisco Veloso Filho: "A partir do início do evento e até o final da última palestra, recebemos um feedback crescente e positivo de diversos participantes sobre o acerto na grade de temas e abordagens apresentadas nas palestras, permitindo assim momentos de reflexão sobre os reposicionamentos necessários de nossa indústria, tanto nas questões estratégicas, quanto nas mercadológicas. Por fim, ficamos com a certeza de incluir o congresso de forma permanente no calendário de nosso setor”.

O diretor da APS Feiras, Ismael Guarnelli, considerou o balanço extremamente positivo: “O mercado mostrou que está interessado por conhecimento e quer saber mais sobre as tecnologias e tendências que farão parte de suas vidas nos próximos anos. Tivemos público lotado no salão, palestras de alto nível de conteúdo e no final um proveitoso debate sobre nosso setor. Ficamos plenamente satisfeitos com os resultados e com a missão cumprida e já vamos iniciar os preparativos para a segunda edição do Congresso”.

Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica

Com realização da ABTG, o Congresso Internacional de Tecnologia Gráfica contou com organização da APS Feiras & Eventos. A Afeigraf e ExpoPrint Latin America são Patrocinadoras Diamante. A Abigraf-SP e o Banco Safra são Patrocinadores Ouro. A Futura Imbatível é Patrocinadora Prata; a Bremen Sistemas, a Papirus e a Ibema são Patrocinadores Bronze.

Os apoiadores da iniciativa são: Abflexo, Abiea, Abimaq/CSMEG, Abitim, ABPO, Abro, ABTCP, ANconsulting, ANJ, Baluarte Certificações, Conlatingraf, ConverExpo, FESPA Brasil, FSC, Istituto Europeo di Design, Instituto de Embalagens, Objeto Brasil, Revista Embanews, Revista Inforflexo, Revista ProjetoPack, Revista Publish, Revista Tecnologia Gráfica, Senai, Singrafs, Two Sides e Universidade Mackenzie.

As apresentações das palestras poderão ser encontradas no site da ABTG: www.abtg.org.br.

Leia mais



Mais notícias